terça-feira, 26 de abril de 2011

O Flickr surgiu como um site de games on-line, diz fundador do serviço


"Oi, tudo bem?" Foi assim, em português, que Stewart Butterfield, um dos fundadores do Flickr e ex-gerente de produtos do Yahoo!, começou a conversa com a Folha, via Skype. "Mas meu português, infelizmente, só vai até aí. Como americano, é minha maior vergonha, não falo outras línguas", completou, desta vez em seu idioma, o inglês.
Ele largou o Flickr, que nasceu como uma empresa de games, e o Yahoo!, para investir em outra empresa, fundada por ele próprio em 2009, chamada Tiny Speck, especializada em games on-line. A companhia anunciou no último dia 12 que levantou US$ 10,7 milhões para o lançamento de seu primeiro jogo, batizado de Glitch.
Confira os principais trechos da entrevista:
*
Folha - Você pode falar um pouco sobre a Tiny Speck? É uma empresa apenas de games on-line ou games sociais? Os jogos poderão ser executados em redes sociais, com o Facebook?
Stewart Butterfield - Nós estamos fazendo um game na nuvem chamado Glitch. É similar em vários aspectos ao que chamamos de games sociais, mas também é muito diferente. Glitch não será jogável a partir do Facebook. É um game social, mas no sentido de compartilhar a experiência com amigos, não necessariamente ser jogado em alguma rede social.

É verdade que o próprio Flickr começou como uma empresa de games? Como ele se tornou um site de compartilhamento de imagens?
Sim, é verdade. Nós queríamos fazer algo similar ao Glitch quando começamos o Flickr em 2002. Mas era também uma ideia muito diferente: a tecnologia mudou bastante em nove anos.
Nós nos tornamos um site de compartilhamento de fotos porque era algo que podíamos completar e executar mais facilmente.
Era extremamente difícil levantar dinheiro naqueles dias, e nós simplesmente não tínhamos grana suficiente para terminar o jogo. Pensamos que podíamos fazer algo legal com a tecnologia existente e talvez até vender para conseguir o dinheiro necessário para o jogo. E aqui estamos [risos].

O que é o Glitch?
Primeiro de tudo, o Glitch se passa em um mundo compartilhado.
A maioria dos games sociais são várias cópias de jogos de um jogador só, onde você pode se comunicar com seus amigos e trocar itens, presentes, mas vocês de fato não jogam juntos.
Em contraste, no Glitch, o mundo é compartilhado e evolui, muda, mesmo quando você está dormindo. Ele pode mudar permanentemente.
Há outros jogos parecidos, como os RPGs on-line (Ragnarok, Ultima Online, Priston Tale), mas Glitch não terá lutas ou violência.

Quanto a Tiny Speck arrecadou em financiamento para o Glitch até hoje?
Foram US$ 17,2 milhões no total, desde 2009.

Eu vi as imagens, são coloridas, quase infantis. O jogo é para crianças?
Não. Nós teremos uma idade mínima: 13 anos, e talvez um máximo de 16. Mas há pessoas de 20 a 30 anos testando também o game. Há até mesmo pessoas que amam o jogo próximas dos 70 anos de idade. Não há limite demográfico ou etário.
Parece muito "bonitinho" e tem um apelo com crianças, mas não pretendemos limitar o jogo. Há muitas maneiras de tornar o jogo atrativo para crianças e somente para elas, mas nós não queremos limitar.

Você ainda tem alguma ligação com o Flickr ou com o Yahoo!?
Eu deixei o Yahoo! e o Flickr em 2008. A Tiny Speck começou em 2009 e estou 100% nessa empresa. A ligação é que a minha companhia tem 22 funcionários e dez deles vieram do Flickr.

Quando Glitch será lançado? Vocês pretendem lançar outros jogos ou vão se concentrar em apenas um game?
Nesta semana o beta do Glitch está sendo liberado aos poucos para todos os países do mundo. Por agora, vamos focar no Glitch, mas nada impede que no futuro lancemos outros games com a mesma tecnologia.

Fonte: Folha
Temos como intuito postar notícias relevantes que foram divulgadas pela mídia e são de interesse do curso abordado neste blog. E por isso esta matéria foi retirada na íntegra da fonte acima citada, portanto, pertencem a ela todos os créditos autorais. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens Recentes: